BLOG

Desenvolva uma escrita persuasiva que, de fato, ajuda a converter.

A escrita com foco em vendas exige aplicação de técnicas e conhecimento profundo sobre quais gatilhos mentais ativam a tomada de decisão de um lead. Conheça mais neste artigo.

A coisa mais importante que aprendi trabalhando como gestor de marketing em empresas é: você só vai vender se contar uma boa história.

E eu percebi que para uma história ser realmente boa e conquistar a atenção do seu potencial consumidor ela precisa:

  1. Ser útil,
  2. Conectar genuinamente e
  3. Ser verdade.

– Ok, isso parece fazer sentido! Mas como construir uma narrativa baseada, de fato, nesses pilares?

Vamos lá:

Você se torna útil quando ensina algo. E ensinando algo, seu futuro cliente será grato à você.

Você conecta sendo empático. E sendo empático, seu futuro cliente confiará em você.

Você é verdadeiro quando resolve problemas. E adivinhe, resolvendo problemas, seu futuro cliente será fiel à você.

Gratidão, confiança e fidelidade levam, sem vacilos, a compra. O seu desafio é construir um texto que, ao final da sua leitura, ative algum desses três sentimentos em quem o leu. 

Simples, pero no mucho. 

Para contar uma boa história que atenda a todos ou a pelo menos algum desses critérios, você precisará, antes de qualquer coisa, ser um bom organizador de ideias. Ideias organizadas são mais claras e, consequentemente, mais persuasivas.

Valos falar de escrita persuasiva.

A escrita persuasiva tem um único objetivo: traduzir uma ideia de negócio em narrativa que ajude a converter.

Veja bem, que ajude!

Mas, ao invés disso, muitas vezes ela pode acabar atrapalhando o processo quando é construída ignorando algo muito importante: o momento do lead na jornada de compra, sem considerar o seu grau de maturidade e de consciência, que são distintas, em cada uma das fases da jornada. 

Certamente você já ouviu falar em Gatilhos Mentais. 

Nas técnicas de escrita persuasiva, os gatilhos mentais são super importantes para construção de narrativas.

Para avaliar resultados em ações de captação de lead, uma das coisas que você, estrategista de marketing, deve ter sempre no radar é: qual gatilho mental mais converte, em cada uma das fases da jornada de conversão, especificamente no seu negócio. 

Talvez:

– para criar awareness, você deva abusar dos gatilhos mentais que ilustram a AUTORIDADE da sua marca; 

– para gerar tráfego, desenhar uma comunicação que consiga traduzir RECIPROCIDADE com o lead;

– para estimular engajamento, contar HISTÓRIAS que deixem clara a sua entrega de valor;

– para converter: usar tom de URGÊNCIA e PROVA (o famoso “quem provou, gostou”) para transformar seu lead, finalmente, em cliente. 

Bora entender mais sobre esses gatilhos mentais!

Autoridade: o principal elemento argumentativo desse gatilho é o resultado que a sua empresa já entregou efetivamente. Resultados denotam autoridade. 

Reciprocidade: quando a mensagem fala sobre o valor da marca – e o leitor reconhece esse valor. 

História: aqui focamos a comunicação na procedência da marca, seu track record, seus desafios superados e como ela conseguiu chegar em algum método/produto/serviço específico. 

Urgência: quando a comunicação usa elementos que denotem escassez ou tempo curto para a tomada de decisão sobre a compra.

Prova: depoimentos ou histórias de clientes que atingiram resultados com a proposta de valor da sua empresa.

Gatilhos mentais são inputs inconscientes que estimulam as tomadas de decisão. A sua marca PRECISA saber qual gatilho mental faz o seu lead se tornar cliente. Testar mensagens e avaliar resultados é a melhor maneira de aprender sobre isso.

Go! 

©2021 Diego Marmo - Todos os direitos reservados.